Mofsovich Family, Brazil
Renata & Leandro são pais das gêmeas Esther e Joana, nascidas na Ucrânia.

As gêmeas Esther e Joana - Nascidas via barriga de aluguel na Ucrânia

A mamãe Renata & o papai Leandro contam abaixo um pouquinho sobre a grande jornada da família, confira!

  • Como você soube sobre a Tammuz Family?

R&L: – Indicação de amigos que viram reportagens na televisão e revistas.

  • Qual foi o seu maior desafio durante o processo de Surrogacy?

R&L: – O primeiro grande desafio é a aceitação por parte do casal. A gestação é a primeira parte do processo de “preparação do ninho”, e não conseguir viver esse momento exige do psicológico do casal.

  • Qual foi o dia mais memorável? O que você lembra daquele dia?

R&L: – Quando estávamos na Ucrânia, muito ansiosos, ainda em quarentena em virtude da pandemia, e acordamos com a notícia do nascimento das meninas. A ficha só caiu de verdade nessa hora.

  • O que mudou em sua vida após a paternidade / maternidade?

R&L: – Tudo. A maioria das coisas que fazíamos antes não fazemos mais e o que fazemos hoje nunca fizemos.

Os momentos eram todos nossos, sejam como casal ou individual, desde assistir a um seriado, ir a um restaurante, praticar os esportes de rotina. O tempo acaba ficando quase todo tomado com a rotina das bebês. Mama, arrota, troca fralda, banho, brincadeiras, médico, vacina, visitas…

  • Qual foi o maior desafio de adaptação quando seu bebê nasceu?

R&L: – A mudança na rotina é gigantesca. Mesmo com todo o desejo que sempre existiu de ter um bebê, a rotina muda demais. Cada minuto da vida do casal passa a ser em função daquela nova vida. A demanda é grande.

  • Como foi a reação de sua família?

R&L: -Muito boa, nos apoiaram, uma vez que acompanhavam cada grande batalha para engravidar e as frustrações que seguiam o insucesso dos procedimentos.

  •  O que suas filhas lhe ensinaram até agora?

R&L: -Preenchem um espaço que eu sequer sabia que existia. Hoje de fato nos sentimos completos, que somos de verdade uma família. Foram muitos anos de luta, mas nem o melhor dos sonhos nos mostrava algo tão belo.

  • O que você diria para alguém que está começando uma jornada de Surrogacy no exterior? Que conselho ou dica você daria?

R&L: – Nunca desistam dos seus sonhos. Empenhem até o último centavo e a última gota de suor se necessário. Não se esqueçam de levar consigo as melhores ferramentas (alguém estruturado como a Tammuz).

  •   Qual mensagem você deixaria gravada hoje para suas filhas verem no futuro?

R&L: – Faríamos tudo novamente, se necessário fosse.

  • Qual sua opinião geral sobre processos de surrogacy no exterior?

R&L: – Só conhecemos o processo na Ucrânia. A impressão é boa, muito profissional. País notadamente está acostumado a tratar desse tipo de procedimento, tanto do ponto de vista de saúde como legal.

  •  Sinta-se à vontade para adicionar qualquer comentário ou mensagem

R&L: – Felizmente a medicina reprodutiva encontra-se extremamente avançada no mundo hoje. Isso permite que muitos casais com enormes problemas de fertilidade, realizem o sonho de ter uma família. Problema esse muito presente na sociedade atual, com as mulheres bem inseridas no mercado de trabalho.

Mesmo os casos mais complexos acabam tendo solução com gravidez por substituição. Esta é de fato uma alternativa incrível. Desafios são médicos e jurídicos, e se o casal decidir passar pelo processo, o melhor é contratar uma boa assessoria. Ter um bom parceiro pode ser a diferença entre um grande problema e um final feliz.

Somos gratos à Tammuz por ter nos conduzido nesse longo caminho com excelência. Problemas e percalços são comuns, mas o saldo é muito positivo. Nos sentimos seguros durante todo o processo, tivemos feedbacks constantes, participamos das decisões, estando sempre confiantes que diante de qualquer problema grave estaríamos amparados.